sábado, 15 de novembro de 2014

Jornada Literária na Amazônia



Depois de três dias de trabalho e brincadeiras pelo glorioso estado do Amazonas, o maior da nossa república federativa, estou de volta a São Paulo. Participei, a convite de Adrianni Neves, do projeto Diálogos ao Pé do Ouvido, que foi apoiado pelo Ministério da Cultura e, na edição inaugural, homenageou o grande poeta Augusto dos Anjos. Além de mim, que tive a honra de ser o patrono desta aventura, participaram os autores Antônio Pinto Ferraz, Rafael Alvarenga, Francine Cruz, Vanessa Labarrere, Custódia Volney, Gélson Leite, Alex Bonifácio e Aguinaldo Tadeu. 

O projeto foi executado, além de Manaus, nas cidades de Iranduba e Novo Airão. Nesta última, aproveitamos, ainda, para visitar os seres encantados do rio Negro, os botos vermelhos, para o resto do Brasil, cor de rosa, lamentavelmente ameaçados de extinção.


Agradeço a Adrianni, a Fran e a todos que somaram esforços para que a iniciativa fosse um sucesso.


À noite, reencontro com os amigos Letícia e Joaquim Soares
 (e os pequenos Iasmin e João).
Bate-papo com os alunos em Novo Airão.

No Palácio da Justiça(hoje transformado em museu). Ao fundo, o Teatro Amazonas.
Em Iranduba, levando o cordel aos alunos da rede municipal.
Custódia Volney, em Novo Airão.

Autógrafos.
Gélson Leite anima a criançada em escola de Manaus.
Alex Bonifácio, Adrianni Neves, Gélson Leite e Vanessa Labarrere.
Com os escritores que tomaram parte no projeto em Novo Airão.

Gélsom Leite e Adrianni. Momento de descontração em Ponta negra, Manaus.
Em Ponta Negra, Manaus.
Os donos do rio.
Em Novo Airão. Ao fundo, o imponente rio Negro.