quinta-feira, 25 de abril de 2013

Um canto que lava a alma


Postei, há algum tempo no Facebook, o texto abaixo com um trecho de um bendito cantado por D. Jesuína Pereira Magalhães, de Igaporã, Bahia, nascida em 1915.


Estava Senhora
Na beira do rio
Lavando os paninhos
Do seu bento filho.

Maria lavava,
José estendia,
O menino chorava
Do fri que sentia.

As duas quadras fazem parte de um conto que a informante chamou 'O Menino Governador do Mundo' e se insere no conjunto de narrativas apócrifas enfocando a fuga da sagrada família para o Egito. Obviamente, o interlúdio poético é uma contaminação do texto em prosa, que lhe serve de moldura.



Meu amigo José Joaquim Dias Marques, do Centro de Estudos Ataíde Oliveira (CEAO), da Universidade do Algarve, Faro, Portugal, generosamente, enviou-me a versão abaixo, que compartilho com os leitores deste espaço:


"Marco Haurélio, aqui fica uma versão portuguesa inédita dessa oração, bastante mais comprida do que as nossas versões habituais (que costumam ser curtas como a versão da Bahia que tu gravaste e ter, no máximo, três quadras).

Segundo explicou a informante, este texto era cantado durante a recitação do terço, provavelmente numa das pausas que marcam a separação entre os vários mistérios. Esta versão tem de especialmente interessante as séries de quadras paralelísticas. Foi recolhida por uma aluna minha.

Está Nossa Senhora
À beira do rio
Lavando os paninhos
Do seu bendito filho.

A Virgem lavava,
S. José estendia
E o menino chorava
Do frio que fazia.

Calai, meu menino,
Calai, meu amor,
Que essas tuas chagas
Me partem com dor.

Os filhos dos homens
Em bons travesseiros;
Meu Deus, meu menino
Em cama de madeiros!

Os filhos dos homens
Em berço dourado;
Meu Deus, meu menino,
Em palhas deitado!

Olhais para o céu,
Verás estar Maria,
Cercada de anjos,
Com tanta alegria.

Olhais para o céu,
Verás estar José,
Cercado de anjos,
E Maria ao pé.

Olhais para o céu,
Verás uma cruz,
Cercada de rosas,
E o Menino Jesus.

Informante: Cesaltina Peleja, 71 anos, natural de Clarines, concelho de Alcoutim, distrito de Faro.
Recolha de Cristina Martins, aluna da Universidade do Algarve, em 18/12/2004."




Acima, a cantora e compositora paraibana Socorro Lira, uma das mais belas vozes da música brasileira, interpreta o bendito, que é  também acalanto, Senhora Santana, gravado no álbum Intersecção: a Linha e o Ponto, que repete alguns versos das versões acima reproduzidas.

Senhora Santana 
Ao redor do mundo, 
Aonde ela passava, 
deixava uma fonte 

Quando os anjos passam, 
Bebem água dela. 
Oh que água tão doce, 
Oh Senhora tão bela! 

Encontrei Maria 
Na beira do rio 
Lavando os paninhos 
Do seu bento filho. 

Maria lavava, 
José estendia. 
O menino chorava 
Do fri que sentia 

Os filhos dos homens 
Em berço dourado, 
E tu, meu menino, 
em palhas deitado. 

Calai, meu menino, 
Calai, meu amor, 
Que a faca que corta 
Não dá tai sem dor.

5 comentários:

J. J. disse...

Que título bonito (e apropriado): "Um Canto que Lava a Alma" :-)

ULLMANN disse...

cresci ao canto de "Maria lavava, José estendia..a menina chora, do frio que fazia", mas somente com essa estrofe. Hoje canto pro meu segundo garoto. Fico feliz de ter vindo aqui e de saber mais sobre esta nobre canção

ULLMANN disse...

Somente me era cantado a estrofe do "Maria lavava...", porém em um ritmo bem menos melancólico, do que cantado no vídeo. Decepcionante.
Porém, fico feliz por ter encontrado a origem da música que me embalou e que há 15 anos atrás embalou o Juliano e que hoje embala o pequeno Rafael.

Michelle Noronha disse...

Eu cresci escutando esses versinhos! Não como uma canção, mas como um verso de ninar.

"Santa Maria
Na beira do rio
Lavava as roupas
De seu Santo filho.

A Senhora lavava,
São José estendia,
e o menino chorava
do frio que fazia.

A virgem sorrindo
assim lhe dizia:

não chores, menino,
não chores, amor.
Estes são orvalhinhos
que caem do Senhor.

Os filhos dos ricos
em berços dourados
e tu, meu menino,
em palhas deitado.

Eu tentei encontrar a origem da musica, e agora percebi que ela deve ter sido extremamente modificada.
A minha mãe citava os versos e dizia que os cantava quando criança, no coro da igreja. Acho esses versinho lindos!
Se tiver mais qualquer informações sobre a história por trás disso, me interessaria muito sabê-la.

Abraços!!

marciaerod disse...

Pra mim não abre o vídeo, qual é o formato ?