segunda-feira, 2 de maio de 2016

Cordéis atemporais: História do Cachorro dos Mortos



CapaOCachorroDosMortos1000x1316
Capa de Jô Oliveira para a edição digital da obra
(Editora O Fiel Carteiro)
Escrito por Leandro Gomes de Barros, provavelmente em 1906, O cachorro dos mortos é considerado por muitos cordelistas, a exemplo de Klévisson Viana, Arievaldo Viana e Marciano Medeiros, o mais importante cordel dramático de todos os tempos. Poeta de muitos recursos, que trabalhava com igual maestria narrativas de aventura (História de Juvenal e o dragão), histórias de espertalhões (A vida de Cancão de Fogo e o seu testamentoO cavalo que defecava dinheiro) e romances trágicos (Os sofrimentos de AlziraA força do amor), Leandro alcançaria a imortalidade se de sua pena houvesse saído apenas a história do cachorro Calar. Com o protagonista da história aprendemos que a expressão fidelidade canina nada tem de desonrosa, pelo contrário. Muito antes de Graciliano Ramos escrever Vidas secas, romance em que a personagem mais humana é a cachorrinha Baleia, Leandro confere ao velho cachorro Calar, testemunha solitária de um crime bárbaro, características quase sobrenaturais. De certa forma, ele é o elo evocado por sua dona Angelita, vítima da tocaia armada pelo feroz Valdivino, para que seja feita a improvável justiça:

Olhou pra uma gameleira
Que tinha junto à estrada,
Dizendo: — E tu gameleira,
Viste a cena passada?
És uma das testemunhas
Quando a hora for chegada.

(...)

E essa flor que por ela
Há festa aqui todo ano
Há de tirar a justiça
De uma suspeita ou engano,
Dirá ao juiz: Venha ver
Quem matou a Floriano!

O tema que inspirou Leandro é o da natureza denunciante, definida por Luís da Câmara Cascudo, que enxergou, com os motivos que o compõem, um ciclo na contística popular: “O ato criminoso é revelado pela denúncia de ramos, pedras, ossos, flores, frutas, aves, animais”.[1] No livro Contos e fábulas do Brasil, de minha autoria, discorri sobre o tema:
cordel 5.jpg
Edição da Tupynanquim Editora com capa
de Klévisson Viana.
“Os Irmãos Grimm forneceram aos estudiosos o conto-tipo mais completo com o tema natureza denunciante: A luz do sol o revelará (Die klare Sonne bringt's an den Tag). Resumidamente, narra como um alfaiate faminto ameaça de morte um judeu para roubá-lo, embora este o tenha alertado que só levava oito centavos. Antes de morrer, o judeu invoca a única testemunha possível: a luz do sol. Tempos depois, já com família constituída, o assassino vê a luz do sol formar vários círculos no pires de café que tinha às mãos. Inadvertidamente, relembra o episódio e, instado pela mulher, acaba confessando. A proverbial indiscrição feminina, na figura da comadre confidente, levará ao tribunal e depois à execução o assassino. (...) Uma história do sexto século antes de Cristo, conservada pela memória popular com o auxilio dos poetas, é o antecedente ilustre deste tema. O poeta Íbicus, natural de Régio, Magna Grécia, arrastado até uma ilha deserta por salteadores que desejavam roubá-lo, é inapelavelmente morto. Antes de expirar, suplica a uns grous que voavam sobre a ilha que servissem de testemunhas de seu martírio.  Anos mais tarde, os assassinos do bardo, num anfiteatro de Corinto, ao verem os mesmos pássaros sobrevoando o local, dizem em tom de chiste: ‘Lá vão as testemunhas e vingadoras de Íbicus’. Os circunstantes ouvem a pilhéria e ligam-na ao desaparecimento do poeta. Denunciados, os assassinos são presos, julgados e executados.[2] Câmara Cascudo apresenta, com enredo semelhante, As testemunhas de Valdivino. Testemunhas estas já abrasileiradas na forma de garças.”[3]

Edição da Editora Luzeiro.

O mais curioso é que, no conto registrado por Câmara Cascudo, acima citado, Valdivino é o nome da vítima. No romance de Leandro, é o algoz. No conto O testemunho das gotas de chuva, por mim recolhido, há um assassinato sem testemunhas aparente, a não ser os pingos de chuva, aos quais a vítima se dirige, e que, tempos depois, terminam por denunciar o criminoso. Acredito que a ideia fulcral de O cachorro dos mortos esteja na cena em que Angelita, à beira da morte, apela para uma justiça imanente pela punição de Valdivino. O motivo pode ter servido de moldura para uma lenda, talvez inspirada em uma festa religiosa, como a descrita na história, ambientada na Bahia, no início do século XIX.

Para comprar a edição digital da obra, clique AQUI


[1]  In: Contos tradicionais do Brasil. São Paulo: Global Editora, 1999, p. 22.
[2] Veja-se Cascudo, Luís da Câmara. Os grous de Íbicus voam em português. In Superstição no Brasil, p. 189.
[3] Contos e fábulas do Brasil. São Paulo: Nova Alexandria, 2011.Alexa, 2011.

Nenhum comentário: